A entrega de diplomas e prémios de mérito, a cerca de seis dezenas de alunos que concluíram os seus cursos em 2009/2010, constituiu um dos momentos mais marcantes do início do ano lectivo 2011/2012, na Associação Diogo de Azambuja (ADA).

A cerimónia, que decorreu no dia 6 de Outubro, no auditório da Escola Profissional (EPM), foi orientada pelo director pedagógicos da EPM, Mário Jorge Silva, e director financeiro da ADA, Luís Cantante, marcando presença, além dos recém-formados, os seus pais e familiares e professores, que “quiseram testemunhar este momento marcante na vida escolar e pessoal de um jovem”.

Além dos diplomas correspondentes ao 9.º e 12.º ano de escolaridade e certificados de qualificação profissional de nível II e IV, respectivamente, quer da EPM quer da EPAAD, além do Curso EFA, a ADA também contemplou com o “prémio de mérito” duas alunas que se distinguiram no seu percurso formativo. Assim, da EPM, recebeu o prémio a finalista Ângela Micaela Bastos Nascimento, do Curso de Técnico de Higiene e Segurança do Trabalho e Ambiente, assim como a aluna Carolina Isabel Nogueira Ferreira Gomes, da EPAAD, do Curso de Técnico de Gestão Ambiental.

Estendendo as felicitações a todos os finalistas, Mário Jorge Silva, incentivou os alunos a continuarem a estudar, a empenharem-se na sua carreira académica via cursos nível IV. “A formação contínua é uma constante da vida”, disse o Director Pedagógico da ADA, exemplificando que “por mais alto que seja o cargo que ocupemos, deveremos deixar sempre um espaço para a auto-formação”.

Afiançando que “os alunos da ADA são capazes de vencer as dificuldades que os esperam” porque “tiveram uma formação exigente”, Mário Jorge da Silva sublinhou que “os alunos finalistas vão qualificados para o saber-fazer”. Aliás, explicou, o diploma é sobretudo “uma ferramenta” à sua disposição que os pode ajudar a vencer no mundo do trabalho.

Dirigiu ainda palavras especiais para os jovens africanos que estudam na ADA, destacando a forma exemplar como sempre souberam integrar-se na comunidade montemorense, através do associativismo, actividades culturais e desportivas.

Luís Cantante, congratulando-se com o “elevado número de alunos finalistas” e “aptos para um exigente mercado de trabalho”, realçou que “ao longo de 20 anos de existência das escolas da ADA temos vindo a formar jovens que se têm imposto nos diversos locais onde vêm desenvolvendo as suas actividades, quer como profissionais de qualidade, quer como estudantes de nível superior”.

Aldo Aveiro