A Escola Profissional Agrícola Afonso Duarte (EPAAD), numa parceria com a Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro (DRAPC) e Cooperativa Agrícola de Montemor-o-Velho, dinamizou, dia 30 de Setembro, o “Dia de Campo”.

A jornada começou no Campo Experimental do Bico da Barca, com uma sessão de boas-vindas e abertura do evento com intervenções de Abel Girão, vereador da Câmara Municipal; Joaquim José Carraco, director Pedagógico da EPAAD; Mário Pardal, director técnico do Curso de Produção Agrária da EPAAD e representante do Director Regional de Agricultura e Pescas do Centro.

O 1.º painel de do “Dia de Campo” - novas variedades e tecnologias na cultura do milho” - foi preenchido com demonstração de diferentes actividades, tendo em vista testemunhar as novas variedades de milho e agroquímicos; as adubeiras/fertilização; maquinaria agrícola com sistemas de mobilização do solo na conta de cultura e na produção do milho e monitorização da rega, cujos ensaios são da responsabilidade do Técnico Eng.º Serafim Andrade, da DRAPC, que apresentou os resultados das suas experiências.

Com esta finalidade, os participantes na iniciativa - agricultores, técnicos, alunos, empresas da fileira, serviços oficiais e instituições Ensino Profissional Agrícola - visitaram a Unidade Experimental de Variedades de Milho, Ciclo FAO 200, 300 e 500, (com o estudo de dez variedades), igualmente no Bico da Barca, onde se pretende avaliar a capacidade produtiva de cada variedade, bem como avaliar o ciclo vegetativo e o teor de humidade à colheita, com responsabilidade técnica de ensaio do Eng.º Serafim Andrade-DRAPC e Eng.º Mário Pardal-EPAAD.

Já na Unidade Experimental do Sabico das Areias, da EPAAD, visitaram o Campo de Ensaio de Variedades de Milho 2010, contendo dezenas de variedades, dos ciclos FAO 200, 300, 400, 500 e 600, assim como o Campo de Ensaio de fertilização usando adubos com Azoto de Libertação Controlada

De acordo com Mário Pardal, da EPAAD, técnico responsável pelo ensaio, “os objectivos destes Ensaios centram-se na avaliação da capacidade produtiva de cada variedade e a sua adaptabilidade na região do Baixo Mondego, bem como avaliar os seus ciclos produtivos e os seus teores de humidade á colheita”.

De realçar que a realização dos diferentes campos de experimentação “permite aos alunos colocarem os seus conhecimentos em prática”, constituindo, ao mesmo tempo, “um espaço privilegiado para auxiliar os agricultores na escolha das melhores variedades de milho, contribuindo para a rentabilização das suas culturas”.

A Associação de Beneficiários da Obra de Fomento Hidroagrícola do Baixo Mondego, as empresas ADP-Fertilizantes, Cadubal (adubeiras, sementes e agroquímicos); Nova Percampo (máquinas e equipamentos); Nova Lavoura de Gaia (sementes e agroquímicos) também se associaram à iniciativa que terminou com um almoço-convívio para todos os participantes nas instalações da EPAAD.

 

Aldo Aveiro

Fotos: