A Escola Profissional Agrícola Afonso Duarte, de Montemor-o-Velho (EPAAD) apresentou o Plano de Emergência Interno (PEI) da Escola, numa acção realizada dia 18, tendo como destinatários todos os alunos deste estabelecimento de ensino, bem como professores e funcionários.

A acção de “Prevenção e Segurança”, desenvolvida pela turma HG, do 3.º ano do Curso Técnico de Higiene e Segurança no Trabalho, e coordenada pela Professora Helena Cadima, da Escola Profissional (EPM), pretendeu informar todos os ocupantes do edifício dos riscos existentes, procedimentos adequados a cada caso, sistemas de detecção e alarme, equipamentos de intervenção existentes e caminhos de evacuação; e dar a conhecer aos meios externos de intervenção os riscos que podem levar a uma situação de emergência.

Para a coordenadora da acção, “o PEI tem ainda como missão definir as medidas organizativas e de intervenção dos meios humanos e materiais, para minimizar as consequências de uma situação anómala ou não prevista, dar protecção aos ocupantes, às populações, às instalações e ao ambiente”.

No intuito de assegurar “atempadas, seguras e eficientes” medidas de prevenção e segurança, o PEI contempla, entre outros, os seguintes requisitos: conhecer o edifício, as suas instalações, o seu conteúdo, assim como a perigosidade das diferentes áreas que o constituem; estabelecer e nomear a estrutura hierárquica, organograma e equipas de intervenção; definir actuações e tarefas específicas das equipas intervenientes; definir caminhos de evacuação e pontos de encontro; garantir a evacuação rápida e segura de todos os ocupantes; garantir que todos os ocupantes do edifício, conheçam antecipadamente os riscos existentes, procedimentos adequados a cada caso, sistemas de detecção e alarme, equipamentos de intervenção existentes e caminhos de evacuação; dar a conhecer aos meios externos de intervenção os riscos que podem levar a uma situação de emergência; viabilizar a retoma do normal funcionamento.

Para Joaquim José Carraco, director Pedagógico da EPAAD, e nessa qualidade também responsável pelo PEI, “esta acção visou proporcionar informação sobre a segurança e bem-estar de toda a comunidade educativa”, afirmando que “a escola, além da formação profissional, contempla a preparação do aluno para a vida activa e para o exercício da cidadania, e proporciona um conjunto de competências em diversas áreas, nomeadamente saúde, ambiente e desenvolvimento sustentável, direitos, consumo e segurança”.

O director adiantou que “o PEI constitui um instrumento preventivo e de gestão operacional, porque visa identificar os riscos, estabelecer os meios para fazer face a um possível acidente e atribui missões às diferentes às equipas de intervenção”. Sustentou que “o responsável do PEI tem, entre outras, as responsabilidades de decidir activar e desactivar o Plano de Emergência Interno; tomar as decisões necessárias à salvaguarda da vida humana, do ambiente e do património da EPAAD, apoiado na estrutura operacional”.

A EPAAD irá desenvolver, durante este ano lectivo, dois simulacros. O primeiro, no mês de Março, destinado exclusivamente “à comunidade escolar”, e o segundo, no 3.º período escolar, contemplando o exercício de evacuação que, embora sendo surpresa, contará com a participação dos Bombeiros e Protecção Civil.

 

GRPC – Aldo Aveiro