As formandas do Curso EFA NS de “Técnico Administrativo” apresentaram, dia 19 de Novembro, os Portefólios Reflexivos de Aprendizagem (PRA), elementos fundamentais para a conclusão e validação profissional.

Este Curso foi ministrado pelo Departamento de Formação Profissional da Associação Diogo de Azambuja (ADA), a funcionar na Escola Profissional (EPM) e a apresentação dos Portefólios Reflexivos de Aprendizagem (PRA) foi feita na presença da equipa Pedagógica do respectivo curso, bem como do Director Pedagógico da EPM, Mário Jorge.

As 14 formandas, com idades compreendidas entre os 24 anos e os 53 anos, validaram as competências inerentes a esta tipologia de formação, obtendo uma dupla certificação: académica, ao nível do 12.º ano de escolaridade, e de qualificação profissional de nível IV (de acordo com a alteração introduzida na sequência da publicação da Portaria n.º 782/2009 de 23 de Julho, passou a vigorar em Portugal o Quadro Nacional de Qualificações (QNQ) composto por oito níveis de qualificação, cuja aplicação entrou em vigor a partir do dia 1 de Outubro de 2010) na área Administrativa.

De acordo com Margarida Almeida, coordenadora do Curso EFA NS, “este curso decorreu de forma empenhada, tendo o grupo obtido resultados positivos”, sublinhando que “todas as Formandas efectuaram a sua Formação em Contexto real de Trabalho”. “Todas as Entidades/Empresas de acolhimento intervenientes neste processo foram unânimes na consideração de que aquelas cumpriram muito bem com os seus objectivos, tendo manifestado uma boa integração, participação, motivação e relacionamento interpessoal com todos os recursos humanos envolventes”, disse Margarida Almeida.

E concluiu “a avaliação global deste curso EFA de nível secundário é pois, muito positivo e implicou a integração de uma Formanda numa das empresas receptoras de FCT e a possibilidade de outras 4 obterem um Estágio Profissional na área do respectivo curso”.

Estes resultados foram comemorados com um jantar-convívio, com muita animação, entre formandas, formadores e outros elementos da comunidade educativa.

Mário Jorge, demonstrando entusiasmo pela forma como decorreu o curso que “teve óptimos resultados”, não deixou de elogiar, quer as formandas quer a equipa pedagógica de formadores, pelo “sentido de responsabilidade por uma formação adequada às exigências do respectivo mercado de trabalho”.

Aliás, destacou, “o convívio de final de curso foi revelador da empatia criada entre formandos e formadores”, que motivou “o êxito alcançado” e que demonstra “a qualidade da formação ministrada na EPM/ADA”.