A Associação Diogo de Azambuja (ADA) esteve representada na Feira do Trabalho e Formação - certame ligado ao emprego e formação centrou objectivos na aproximação de entidades empregadoras e formadoras - para apresentar os seus cursos e respectivas saídas profissionais.

De 8 a 10 de Outubro, a Praça Marquês de Marialva, em Cantanhede, recebeu a Feira do Trabalho e Formação. Foi a sexta edição consecutiva do evento organizado pela Associação Empresarial de Cantanhede (AEC), com o patrocínio de outras entidades.

Esta feira do trabalho e formação, além de oferecer várias iniciativas relacionadas com o emprego e formação profissional, centrou os seus objectivos na aproximação das entidades empregadoras e formadoras tendo em vista o recrutamento de candidatos, divulgando os processos do recrutamento em curso e, ao mesmo tempo, obter inscrições para registo de base de dados para futuros recrutamentos e promover a colocação de estágios. Sendo que o recrutamento, por costume, é efectuado através de anúncios em jornais ou Internet, esta feira do trabalho e formação surgiu, de acordo com a direcção da AEC, “como um meio inovador para atrair candidatos”, desiderato conseguido porque “os resultados são óptimos”. “O evento é procurado por centenas de pessoas e grande parte consegue arranjar um emprego”, explica um responsável da AEC.

Este ano, os interessados tiveram ao dispor 19 stands, uns de empresas que recrutavam pessoal para o mais variado tipo de trabalho, outros ligados a instituições especializadas na área da formação profissional. As ofertas eram, na grande maioria, para operários indiferenciados e alguns especializados, encontrando-se também vagas para esteticistas, comerciais, administrativos, operadores de caixa, cozinheira, empregado de mesa, técnico de turismo, entre outros. Estágios profissionais eram 10 para as áreas de administrativos, agrícola, ciências da educação, informática, design. O Centro de Recrutamento de Coimbra do Exército “oferecia” cerca de 2.000 vagas para unidades e órgãos do Exército, áreas funcionais de cavalaria, infantaria, secretariado, saúde, serviços, foi um dos stands muito procurados.

A nível de ensino e formação profissional o destaque da procura foi para a Universidade de Aveiro, a Universidade Aberta, o Centro de Novas Oportunidades da Escola Secundária de Cantanhede e a Associação Diogo de Azambuja (ADA), de Montemor-o-Velho - Escola Profissional (EPM) e a Escola Profissional Agrícola (EPAAD) -, que receberam dezenas de inscrições.

Na cerimónia de inauguração, os stands foram visitados por representantes da AEC e da Câmara Municipal de Cantanhede. Nesta ocasião, os representantes da ADA (Mário Jorge Silva, director pedagógico da EPM; Joaquim Carraco, director pedagógico da EPAAD e Luís Cantante, director financeiro da ADA) receberam os agradecimentos da organização e os elogios pela sua participação no evento, mostrando, deste modo, as saídas profissionais dos cursos profissionais ministrados na ADA.

Mário Jorge Silva, em nome da instituição, elucidou que “a ADA já tem muitos jovens oriundos do concelho de Cantanhede”. Referindo que “os cursos têm elevado índice de empregabilidade”, este responsável adiantou que “também apostámos na aquisição de uma carrinha de 28 lugares para “transporte (gratuito) para alunos que não usufruem de rede de transporte público até Montemor-o-Velho”.

Além destes cursos, a ADA dispõe de um departamento de formação que promove cursos de Educação e Formação de Adultos, acções modelares para activos, cursos de formação de formadores e ainda o curso de nível V – Técnico Superior de Higiene e Segurança no Trabalho, aguardando autorização para funcionamento dos cursos de nível IV.