O início do ano lectivo 2010/2011, na Associação Diogo de Azambuja (ADA), com a Escola Profissional (EPM) e Escola Agrícola Afonso Duarte (EPAAD), ficou marcado com a entrega de diplomas a cerca de oito dezenas de alunos que concluíram os seus cursos em 2009/2010.

Além dos diplomas correspondentes ao 9.º e 12.º ano de escolaridade e certificados de qualificação profissional de nível II e III, respectivamente, também foi entregue o “prémio de mérito” a dois alunos que se distinguiram na sua formação. Assim, da EPM, recebeu o prémio a finalista Cíntia Marina Cruz Santos, do Curso de Animador Sociocultural, assim como a aluna Márcia Isabel Neves, da EPAAD, do Curso de Técnico de Turismo Ambiental e Rural.

A cerimónia, que decorreu no auditório da EPM, foi orientada pelo presidente da ADA e Vereador do pelouro da Educação, Pedro Machado, acompanhado dos directores pedagógicos da EPM, Mário Jorge Silva, e da EPAAD, Joaquim Carraco e director financeiro da ADA, Luís Cantante.

Estendendo as felicitações a todos os finalistas, Pedro Machado incentivou os alunos a continuarem a estudar, continuando a sua carreira académica via cursos nível IV. “A formação contínua é uma constante da vida”, disse o presidente da ADA, exemplificando que “por mais alto que seja o cargo que ocupemos, deveremos deixar sempre um espaço para a auto-formação”.

Dirigiu ainda palavras especiais para os jovens africanos que estudam na ADA, destacando a forma exemplar como sempre souberam integrar-se na comunidade montemorense, através do associativismo, actividades culturais e desportivas.

Afiançando que “os alunos da ADA são capazes de vencer as dificuldades que os esperam” porque “tiveram uma formação exigente”, Mário Jorge da Silva sublinhou que “os alunos finalistas vão qualificados para o saber-fazer”.Além da educação e formação profissional, de acordo com os seus estatutos, a ADA também privilegia a componente social, motivos que constituem “um espaço vivo e dinâmico”, frisou o director pedagógico da EPM, explicando que “mesmo já finalistas, a ADA mantém um relacionamento aberto para com os seus alunos a nível de informação e aconselhamento”.

Joaquim Carraco, director pedagógico da EPAAD, lembrando os jovens que o diploma é sobretudo “uma ferramenta” à sua disposição que os pode ajudar a vencer no mundo do trabalho, afirmou que “nada nos é dado se não formos capazes de o conquistar”, aludindo ao empenhamento dos jovens na sua formação. Porém, adiantou, “deveis estar preparados para fazer sempre o melhor possível”.